quinta-feira, 13 de abril de 2017

Amendoim de árvore. Coluna do Paladar de 13 de abril de 2017

Hoje tem Paladar! O texto está também lá no blog do caderno. Ou no jornal impresso. E aqui também:

Amendoim-de-árvore
Já falei nesta coluna de algumas castanhas que temos aos montes por aqui e para as quais não damos a mínima importância, ou por desconhecimento mesmo, já que não estão à venda em supermercados, ou porque as amêndoas de além-mar sempre nos parecem melhor.  Castanha de caju, amendoim e castanha-do-pará (castanha amazônica, pra sermos exatos) todo mundo conhece, mas o que dizer da castanha de baru, de pequi, da sapucaia, do chichá, da monguba e do amendoim-de-árvore? Sem falar das amêndoas dos nossos coquinhos como licuri, butiá, jerivá, babaçu, tucumã e tantos outros.

Pelo menos agora podemos ter amendoins-de-árvore espalhados pelas praças de São Paulo. Pelo menos no meu bairro, num projeto de compensação ambiental, uma construtora mandou plantar vários exemplares de Bombacopsis glabra mesmo em praças já bem arborizadas. O pensamento deve ser este: Tem que plantar mil? Despeje logo tudo o que dá nesta praça mesmo.

Para não ficar apenas lamentando a monotonia das espécies e criticando a forma como é feita esta compensação, o melhor que temos a fazer é aproveitar o que as mudas que não morreram por falta de cuidados têm a nos oferecer a começar pela deliciosa sombra e as energéticas sementes comestíveis que pouca gente conhece. Bem, logo as árvores da praça começaram a produzir frutos verdes que caem de maduros e se abrem no chão, espalhando as castanhas marrons desenhadas com riscos beges.

Mas não é só você que não conhece. Ela tampouco faz parte do meu repertório de frutos da infância. Só fui experimentar estas sementes pouco antes do plantio na praça. Estava na casa do primo do marido no interior de São Paulo e, como não era a visita principal e não tinha muito assunto, passei o tempo olhando cada detalhe da cozinha, reparando mesmo em tudo, até que meus olhos tropeçaram numa assadeira cheia das bolinhas listradas e secas do tamanho de avelãs. Assunto não faltou a partir daí. As castanhas com sabor de amendoim eram para os papagaios, mas havia quem as comesse, fiquei sabendo pelo dono da casa. Lógico que comi várias, o papagaio que comesse sementes de girassol. A casca solta das sementes é firme e quebradiça e se parte com a pressão dos dedos. Por fim, o primo me levou à sua chácara perto dali onde estava a planta carregada de frutos. E como um bom acontecimento costuma vir acompanhado de outras sortes, ou talvez tenha sido só uma coincidência, descobri que a espécie que havia comprado às cegas numa loja de conveniência na estrada a caminho dali e que nos acompanhava naquele momento dentro do carro era a mesmíssima planta que eu acabava de conhecer por inteiro.

Depois disso, nunca mais perdi uma safra dessas castanhas, que vai de de janeiro a abril. E o bom é que, embora a planta seja da Mata Atlântica de norte a sul, é rústica e se adapta a vários tipos de clima e solo. Por isto tem sido muito usada na arborização urbana. Sem falar que ela é toda ornamental, do porte elegante com folhas digitadas às flores em estilo rococó.    

Da família do baobás e da paineira (Malvaceae, antiga Bombacaceae), a Bombacopsis glabra é nativa da floresta pluvial Atlântica, desde Pernambuco até o Rio de Janeiro, e também da mata inundável de várzeas do Pará e Maranhão.  Porém, hoje é pouco frequente em seu habitat natural. Em compensação, é muito usada como planta ornamental, inclusive em vasos, e na arborização urbana no Sudeste, chegando alcançar 6 metros de altura. Os frutos são cápsulas verdes, lisas, sem brilho, com fendas que se abrem naturalmente quando os frutos amadurecem soltando as muitas sementes.  Se você conhece o fruto da parente paineira, saiba que é parecido. Até um pouco de paina a gente encontra entre as sementes.

Seus nomes comuns, castanha-do-maranhão, castanha-da-praia, cacau-do-maranhão e amendoim-de-árvore nos conta um pouco da planta e do fruto. Há quem encontre no sabor um toque de pistache, avelã, coco e amendoim. Eu só consigo sentir a lembrança do amendoim – como se fosse só o lado A do amendoim, a nota agradável e marcante mas sem aquele retrogosto forte que chamo de lado B. Já a consistência das castanhas torradas lembram, sim, avelãs ou outras castanhas bem crocantes. Quando frescas, são leitosas e irresistíveis, mas podem ser também torradas (no forno médio, até que a casca fique quebradiça, fácil de tirar) ou cozidas. São ricas em gorduras e por isto ficam tão crocantes quando torradas. E preparadas assim podem ser usadas como se fossem amendoins ou avelãs em pratos doces ou salgados.

Fiz com elas paçoca  - bati as castanhas torradas no liquidificador com farinha de mandioca torrada, açúcar mascavo e uma pitada de sal -  e não consegui sequer fotografar porque comi tudo num piscar de olhos. Outra receita que quero testar não é minha, mas do Helton Josué Teodoro Muniz, pesquisador que cultiva frutas raras e autor do livro “Colecionando Frutas” (editora Arte & Ciência, 2008). Ele ensina em seu site, www.colecionandofrutas.org, a fazer um substituto para achocolatados. Diz que faz um corte na película das sementes para não estourar e torra na panela ou no forno até que fiquem bem douradas. Bate tudo no liquidificador e coloca a mistura numa panela. Leva ao fogo e vai mexendo até secar totalmente. Coloca de volta no liquidificador, bate mais e passa o pó por peneira fina para separar a película. Ele usa o pó para enriquecer e saborizar o leite como se fosse achocolatado ou para fazer bolos e biscoitos. Diz que tem sabor entre coco e amendoim.

De minha parte, fiz com ela um prato que faria com castanha de caju com a vantagem de que estas não precisei comprar. Colhi todas na praça. Os frutos bem bojudos que não caíram no chão, deixei na fruteira e em poucos dias eles se abriram espontaneamente quando pude recolher as sementes que torrei.

Para torrar: faça corte em cada castanha para que não estoure no forno feito pipoca. Em cerca de 10 ou 15 minutos, em temperatura de 200 graus, as castanhas estarão douradas. Para separar as películas, aperte com os dedos e vá tirando uma a uma. Se preferir, tire toda a casca antes de torrar. Neste caso, leve ao forno ou doure em frigideira sem parar de mexer até começar a dourar. Para fazer farinha, triture no liquidificador com pele e passe por peneira.

Batatas com amendoim-de-árvore

1 colher (sopa) de manteiga clarificada ou ghee
½  xícara de amendoim de árvore torrado, sem pele
3 colheres (sopa) de azeite 
2 colheres (chá) de sementes de cominho
2 colheres (chá) de grãos de mostarda
3 xícaras de cubos de batatas cozidas (na água levemente salgada)
1 colher (chá) de cúrcuma em pó (açafrão-da-terra)
4 colheres (sopa) de uvas passas
10 tomates cereja cortados em metades 1 pitada de pimenta calabresa
1 pimenta dedo-de-moça verde e 1 vermelha, sem sementes, cortadas em tirinhas
Sal a gosto
Gotas de suco de limão fresco a gosto
Folhas de coentro a gosto

Coloque a manteiga numa frigideira, junte os amendoins e aqueça em fogo médio, mexendo sempre. Reserve.
Em uma frigideira grande, aqueça o azeite. Junte as sementes de cominho e de mostarda e espere começar a pipocar.  Junte as batatas e doure-os por 5 minutos. Polvilhe a cúrcuma, misture e, em seguida, coloque as uvas passas. Misture com cuidado e deixe aquecer. Acrescente o  tomate, pimenta calabresa, a pimenta picada e uma pitada de sal. Refogue rapidamente, mexendo com delicadeza, só para o tomate murchar.  Junte o amendoim de árvore e misture.  Espalhe por cima o suco de  limão e as folhas de coentro. Sirva quente como acompanhamento ou espere e sirva morno ou frio como salada.


Rende: 4 porções 

8 comentários:

Unknown disse...

OI, Neide!

Que tal postar uma foto da árvore, pra gente ver se conhece? Fiquei babando pra experimentar!

beijos,

adelia

Margarida disse...

Olá! Neide, amei o texto. Fiquei muito interessada em conhecer e até adquirir uma mudinha de amendoim-de-arvore. Pela sua descrição, parece que o fruto é delicioso. Acho que é possível plantar em vasos, não é mesmo? abraços

Indiacy Monteiro disse...

Já torrei e comi as castanhas. É uma delícia! vou tentar esta receita... valeu, Neide!

Estrela bravo da silva disse...

Eu tenho um pé aqui na minha casa,e não sabia que nome era esse,e nem sabia pra que servia.Obrigado por essa infomação...

Anônimo disse...

Oi Neide, pelo texto descobri que aqui na rua onde moro tem um pé desses - eu sempre tive curiosidade de saber o que era, muito obrigada!
Agora quando passar por lá vou ver se tem os amendoins para experimentar...
Abraços, Cris Yumi

Stefano disse...

Oi Neide...in natura tambem se come?

Pri disse...

Que legal.. Faço mestrado em Ciência dos Alimentos e estou trabalhando com a castanha de chichá, fico super feliz que ouço alguém falando dela. Adorei seu blogue, é inspirador!

Anônimo disse...

Olá Neide,
Como sempre seus textos tão deliciosos de ler e desejar fazer suas receitas. Fiquei curiosa em saber se é possível conseguir mudas do amendoim de árvores.